FacebookPixel
Notícias
O que precisa de saber sobre o mercado imobiliário
Notícias
voltar \ Venda de casas dispara 16,6% em 2018 e está em máximos de 10 anos

Venda de casas dispara 16,6% em 2018 e está em máximos de 10 anos

23 jul 2019
Venda de casas dispara 16,6% em 2018 e está em máximos de 10 anos
Foram vendidas em Portugal 178.691 habitações em 2018, mais 16,6% que no ano anterior. Trata-se do registo mais elevado dos últimos 10 anos (desde 2009), segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE). Já o número de edifícios licenciados aumentou 17,6% face ao período homólogo, tendo sido licenciados 22,2 mil edifícios.

“De entre as transações realizadas, 85,2% respeitaram a alojamentos existentes, mais 0,7% que no ano anterior. Em 2018, o preço mediano de alojamentos familiares vendidos em Portugal foi 996 euros por m2, registando um aumento de 6,9% relativamente ao ano anterior. O preço mediano da habitação superou o valor nacional nas regiões Algarve (1.523 euros por m2), Área Metropolitana de Lisboa (1.333 euros por m2) e Região Autónoma da Madeira (1.207 euros por m2)”, conclui o INE.

Número de edifícios licenciados dispara 17,6%
 

No que diz respeito ao número de edifícios licenciados no país, cresceu 17,6% face ao ano anterior, correspondendo a 22.223 edifícios. “Os edifícios licenciados para construção nova reforçaram a sua predominância em 2018, representando 68,9% do total de edifícios licenciados (+0,7% face a 2017)”, lê-se no site do INE. 


Já as obras para reabilitação de edifícios (obras de alteração, ampliação e reconstrução de edifícios) cresceram 11,7% em termos anuais, apresentando em 2018 um peso de 25,3% (26,5% em 2017). “O número de fogos licenciados (28.321 fogos) aumentou 30,3% face ao ano anterior (+19,0% em 2017). O número de fogos de construções novas para habitação familiar foi 20.205, tendo crescido 38,9% face ao ano anterior (+24,5% em 2017)”, explica o instituto, salientando que havia em Portugal, em 2018, cerca de 3,6 milhões de edifícios de habitação familiar clássica e 6 milhões de alojamentos familiares clássicos, o que representa um aumento homólogo de 0,2%, em ambos os casos.
 

Obras concluídas crescem 19%


Os dados revelados pelo INE permitem ainda concluir que relativamente às obras concluídas registou-se um crescimento de 19% no número de edifícios concluídos face ao ano anterior, correspondendo a 13.483 edifícios, a maioria dos quais edifícios relativos a construções novas (73,6%). Os edifícios residenciais representam 72,2% do total de edifícios concluídos. 
 

“O número de fogos concluídos (15.570 fogos) registou um acréscimo de 36,3% face ao ano anterior (+13,1% em 2017). As obras de reabilitação concluídas cresceram 10,6% (2,6% em 2017), tendo o seu peso no total diminuído 2%, para 26,4% em 2018”, refere o INE, salientando que, por tipo de obras, as obras de construção nova foram as que demoraram mais a ser executadas (22 meses), quando comparadas com as obras de alteração (11 meses).
 

Rendas 9,3% mais caras


Sobre o mercado de arrendamento, o INE revela que o valor mediano das rendas dos 77.723 novos contratos de arrendamento de alojamentos familiares celebrados em 2018 em Portugal foi 4,80 euros por m2, mais 9,3% que no período homólogo. 
 

“O valor das rendas situou-se acima do valor nacional na Área Metropolitana de Lisboa (7 euros por m2), Região Autónoma da Madeira (5,84 euros por m2), Algarve (5,58 euros por m2) e Área Metropolitana do Porto (5,07 euros por m2)”, explica o INE.


Fonte: Idealista, 18 julho 2019

Veja Também